Brazilian Journal of Otorhinolaryngology Brazilian Journal of Otorhinolaryngology
Braz J Otorhinolaryngol 2017;83:605 DOI: 10.1016/j.bjorlp.2017.05.019
Carta ao Editor
Oral manifestations of dengue viral infection
Manifestações orais da infecção viral por dengue
Beuy Jooba,, , Viroj Wiwanitkitb
a Sanitation 1 Medical Academic Center, Bangkok, Tailândia
b Joseph Ayobabalola University, Ikeji‐Arakeji, Nigéria
Cara Editora,

O recente relato sobre “Manifestações orais da infecção viral por dengue” é muito interessante.1 Fernandes et al. observaram “manifestações orais incomuns” na dengue.1 De fato, a dengue é uma infecção endêmica em muitos países tropicais. No sudeste da Ásia tropical, essa infecção é muito comum. Gostaria de compartilhar a experiência da Tailândia, um país com uma prevalência extremamente alta de dengue. A manifestação oral da dengue é muito comum, mas geralmente é leve e pode ser diagnosticada erroneamente como outro problema bucodental tropical.2,3 O sangramento bucodental é uma apresentação comum de sangramento na dengue, mas geralmente não é investigado e registrado.2 Deve‐se observar que a manifestação oral na dengue não é incomum, mas esquecida pelo clínico geral.

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflitos de interesse.

Referências
1
C.I. Fernandes,L.E. Perez,D.E. Perez
Uncommon oral manifestations of dengue viral infection
Braz J Otorhinolaryngol, (2016), http://dx.doi.org/10.1016/j.bjorl.2016.10.001
2
V. Wiwanitkit
Bleeding and other presentations in Thai patients with dengue infection
Clin Appl Thromb Hemost, 10 (2004), pp. 397-398
3
V. Wiwanitkit
Dengue fever: diagnosis and treatment
Expert Rev Anti Infect Ther, 8 (2010), pp. 841-845 http://dx.doi.org/10.1586/eri.10.53

Como citar este artigo: Joob B, Wiwanitkit V. Oral manifestations of dengue viral infection. Braz J Otorhinolaryngol. 2017;83:605.

Autor para correspondência. (Beuy Joob beuyjoob@hotmail.com)
Copyright © 2017. Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial
Braz J Otorhinolaryngol 2017;83:605 DOI: 10.1016/j.bjorlp.2017.05.019